sábado, 4 de julho de 2009

Reencontro na Noite

Na calada da noite encontro-me com a fonte do meu ser.
Sou um predador implacável.
Sou um ser nocturno que encarna o poder da lua.
A sempre sedutora governante dos amantes.
Uno-me à lua e deixo-a brilhar através do meu rosto.
Com o meu sorriso encaro o início da noite e aguardo.
Aguardo a tua vinda e lanço-te a rede como em todas as noites anteriores.
Estás no meu elemento e procuro reter-te.
Enleio a minha mão na tua e percorro as ruas.
Encaminho-te para o nosso reencontro, sei que a noite pertence aos amantes.
És minha, o meu prémio, a minha conquista.
Prendo-me a ti e a presa sempre fui eu.
Sedutora sem precedentes carcereira do meu ser, do meu coração.
Abnego-me a ti sem como nunca, e esta noite serei teu.
Reviravolta fatal de predador a cativo.
Inebriando pelo teu sorriso, pela sedução absoluta do teu olhar.
A tua feminilidade exerce a capacidade de me deixar preso sem grilhetas a ti.
Para todo o sempre ficarei com a tua beleza embebida no meu pensamento e no sonho.
Faço do teu corpo o meu refúgio.
Diluo-me no teu beijo, no teu toque.
Uno-me a ti e rogo aos Deuses para que a noite seja interminável.
Numa prece abandono a consciência de que sou livre, porque na realidade sempre te pertenci.
Confirmo o mito da alma gémea, a ti me dedico no calor da noite.
Não quero mais uma noite sem ti, recordo-me do desconforto gélido de viver sem ti.
Tágide digna de um poema de Camões, és agora a minha Ninfa.
Porque numa noite em que me transformei em predador, vesti-me de cativo.
Cativo do teu olhar e do teu Ser.

Sem comentários:

Enviar um comentário