sexta-feira, 21 de março de 2014

Liberdade de um Sonho

Deitado e acordado sonho o sonho do Homem pobre.
Sonho com a liberdade que este permite.
Deixas de ter grilhetas, deixas de ser a nuvem no meu pensamento.
Solta-te, és livre, escolhe, ninguém tem o direito de te ter presa.
O teu coraçāo é livre, mas nāo o podes dar, porque com ele vem o teu corpo, a tua alma, e essa tem correntes pesadas.
És a tua carcereira, prendeste-te por quimeras e agora abandonaste o teu ser a alguém, à perfidia da necessidade.
Escravizaste o teu corpo, a tua alma em torno da responsabilidade ficticia.
Queres deixar as grilhetas, tens a chave na māo.
Na tua prisāo, encareceraste-me a mim, quero partir, mas o meu coraçāo tem uma corrente ligada ao teu.
Posso quebrá-la tāo facilmente mas o meu amor nāo deixa.
Liberta-te, deixa-me sonhar com com o por do sol ao teu lado ao longo de um tempo infinito.
Deixa-me viver o Sonho do Homem pobre, o Amor incondicional a alguém partilha comigo a verdade mais preciosa, a Liberdade.
Assim ambos teriamos como unicas posses a Liberdade e o Amor.
Riqueza maior, seria impossivel.
Se ao menos dissesses ao teu carcereiro que pretendias ser Livre.
Usa a Chave, concede-me o Sonho.
Mas se nāo o quiseres, ao menos corta a minha corrente, faz-me livre.
Com o coraçāo moribundo, mas ao menos livre para voltar a amar.
Nenhuma mulher deveria de estar acorrentada, presa, amordaçada e muito menos dormente.
O Poder é teu, se um dia ao menos sonhasses como eu.

Sem comentários:

Enviar um comentário